página 4 de 15

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>


1877 - BLAVATSKY, Helena P., Isis sem Véu, São Paulo: Editora Pensamento-Cultrix, 2005, 4 volumes.
No segundo volume desta edição brasileira, Blavatsky faz longa descrição de casos de vampiros póstumos, isto é, pessoas falecidas cujos corpos são mantidos intactos mediante um estado cataléptico, extraindo vitalidade (prana) e eventualmente sangue dos vivos. Consequem isto desdobrando seus corpos astrais e etéricos, que saem dos túmulos com facilidade, e se materializam parcilamente produzindo fenômenos algumas vezes fantasmagóricos. Há a tentativa de unir o pensamento místico-religioso com o pensamento crítico-científico. Obra clássica do ocultismo universal.

_____________________________________________________________


1892 - BLAVATSKY, Helena P., Glossário Teosófico, São Paulo: Editora Ground, 1988
Livro de vasta erudição, com mais de 750 páginas na edição brasileira, sobre os mais diversos assuntos e trazendo alguns curtos verbetes associados direta ou indiretamente ao vampirismo ocidental e oriental, tratando do vampirismo de sangue, do vampirismo de energia vital ou prânico, do vampirismo astral de pessoas desdobradas ou desencarnadas. Descreve o vampirismo como uma forma de osmose de energia, inconsciente ou consciente.

____________________________________________________________


1894 - LEADBEATER, C. W., O Plano Astral, São Paulo: Editora Pensamento, (ano ?).
Descreve o vampiro à semelhança de Blavatsky, o que é natural pois pertencia à Sociedade Teosófica fundada pela mesma, porém cita que vampiros astrais podem se manter por muito tempo naquele plano, sem precisar se reencarnar, graças a tais práticas de vampirismo prânico e de energia após já estarem desencarnados. O livro é um dos mais profundos estudos escritos até hoje sobre o plano astral como um todo.

_______________________________________________________________

1914/ 1924- WRIGHT, Dudley, The Book of Vampires, New York: Dover Publications, 2006.

Obra importante, originalmente publicada em 1914 e depois ampliada e publicada novamente em 1924, trata o vampirismo em diversas partes do mundo, como somente depois Summers o fará em 1928. Mas ao contrário de Summers, Wright consegue ser mais sintético, apesar de amplo em sua apreciação sobre o vampirismo.


<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>