página 2 de 2
<<< VOLTA

Muitos dos integrantes desta Subcultura assumem o termo "vampyro" com "y" em vez de "i", numa tentativa de se diferenciar dos vampiros dos filmes, da literatura, dos mitos e/ou folclore. Assim a "Order of the Vampyre" fundada por Lilith Aquino (uma órdem interna do "Temple of Set" fundada por Michael Aquino) e a Ordo Strigoii Vii fundada por Father Sebastiaan (que publica a séria de livros "Sanguinomicon", das mais influentes no cenário internacional) adotaram o "y"; enquanto a "Temple of the Vampire" fundada por Lucas Martel e que edita a famosa "Vampire Bible", e a "House Khepheru" fundada por Michelle Belanger (que escreveu o livro talvez mais influente até hoje entre vampiros reais de energia, o "The Psyquic Vampíre Codex - a manual of magick and energy work" continuam a adotar o vampiro com "i". No Brasil o "vampyrismo" com "y" vem sendo associado à não se vampirizar energias, prana ou sangue de outras pessoas. No exterior a "Order of the Vampyre" usa o "y" mas aceita o vampirismo de energia. Logo tais termos não têm unanimidade nenhuma dentro da Subcultura.
O presente site adota "Subcultura Vampírica", mas respeita o uso de "Subcultura Vampyrica".

Isto ocorre porque subculturas, de um modo geral, não possuem um modelo fechado, uma "verdade" absoluta, mas são constantemente construídas, modificadas por apropriações culturais as mais diversas por parte de seus integrantes no mundo e no Brasil. No Brasil todos, quer através de sites, blogs, comunidades e perfis como aqueles do MySpace, ORKUT e assemelhados, estão participando e ajudando a construir este que é um momento histórico para a
Subcultura Vampírica e Vampyrica no Brasil.

. . .

<<< VOLTA