PERIGOS
DA MISTIFICAÇÃO

Etienne_Csok_os_vampiros_1907
Étienne Csok
Os Vampiros (1907)

O perigo inerente a qualquer movimento social carregado de elementos com características sagradas e potencialmente religiosas, como é o caso do vampirismo, seus mitos e práticas, é ser usado de má fé como forma de dominação ou ainda ser usado de boa fé, mas de forma inadequada à sociedade em que está, contrária às leis e/ou com dogmas que coloquem em risco a segurança física, emocional e mental das pessoas em geral, e de pessoas menos experientes, como crianças e adolescentes, em particular. Mesmo entre maiores de idade é preciso tomar sérios cuidados, para não sermos envolvidos em rituais e promessas absurdas que podem acabar em assassinatos e abusos de todo tipo, conforme a imprensa do Brasil vem noticiando por diversas vezes,
quer envolvendo pretensas seitas, rituais, jogos, etc.

A semiótica, é a ciência que estuda os signos.
Um signo é composto de um significante (por exemplo uma bandeira) e um significado associado a esta bandeira. A união de um significante, por exemplo a palavra "vampiro" ao significado desta palavra, dá origem a um Signo. No entanto um significante, a nossa palavra "vampiro" do exemplo, pode possuir significados diferentes para pessoas diferentes. Assim para um amante dos mitos e filmes de vampiro, pode significar imortalidade, poderes, sedução etc.
Para um não amante deste mito pode significar algo diabólico, repugnante e mal.

Como o mito do vampiro possui muitos dos significantes e significados do sagrado, conforme vimos em "POR QUE SAGRADO VAMPÍRICO?", isto permite que ele desperte em nosso consciente e inconsciente sensações e inclinações típicas dos religiosos. Se isto é mal direcionado, quer por má fé, quer por fanatismo típico em certos tipos de perfil religioso, pode levar eventualmente a desequilíbrios e crimes de vários tipos,
com graves e inevitáveis consequências a todos os envolvidos,
como de danos físicos e psíquicos às vítimas, e da consequente prisão dos responsáveis.

Isto não significa que não haja religiões associadas ao vampirismo de tipo sério e responsável, ético e cumpridor das Leis. Certamente as Houses, Templos e Ordens que a anos estão ativas nos EUA, Reino Unido e outros locais, e que podem ser classificadas tecnicamente como religiosas são extremamente éticas e cumpridoras das leis ou já teriam os seus responsáveis sido devidamente processados e presos, e as organizações por eles criadas extintas.

O que queremos dizer é que este é um ambiente propício a atos extremados, como em qualquer outro ambiente religioso, caso não se tenha a preocupação de impor limites a eventuais excessos, quer de seus supostos líderes, quer de seus seguidores. Respeitar rigorosamente TODAS as Leis Federais, Estaduais e Municipais de nossa sociedade é a única forma de garantir o direito à liberdade de pensamento e religiosidade que estas mesmas Leis garantem! Isto fez com que a Moderna Subcultura Vampírica
criasse um Código de Ética, reconhecido por toda comunidade
e que tratamos no tópico: "CÓDIGO DE ÉTICA".