página 2 de 10

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>


Em uma pesquisa cultural o antropólogo perguntará desde como se pratica o sexo, até como fazem guerra, como representam as coisas a sua volta, como veem a "realidade", como fazem arte, como fazem política, como fazem religião, como fazem ciência (para a antropologia não existe apenas a ciência de nossa civilização ocidental, mas várias ciências. Assim um físico ou químico crê, normalmente, que conhece a única realidade, e que sua representação do mundo reproduz a "verdade". O Antropólogo reconhece que cada povo, etnia, civilização moderna ou arcaica possui uma ciência própria, uma maneira própria de representar a "verdade", e todas são igualmente boas.

Assim, uma das características essenciais da antropologia é sua capacidade de praticar o "estranhamento", isto é, procurar se distanciar dos conceitos e preconceitos do senso comum em relação às culturas que estuda e de praticar o "relativismo", isto é, não julgar ou classificar hábitos e instituições sociais de outras culturas tendo os hábitos e instituições sociais de nossa sociedade como referência. A Antropologia, especialmente a Antropologia Pós-Moderna, ao contrário de outras ciências, "se enxerga em sua pesquisa", é auto reflexiva e sabe... que seus registros e análises "deformam" a verdadeira essência da cultura que estuda, e que só os nativos podem dar uma visão apurada do que são. Isto, contudo, não tira o valor do uso de ferramentas conceituais de que a antropologia dispõe para fazer suas análises.

Se pudermos comparar as culturas dos povos a "vagões de trem correndo por trilhos próprios", a Antropologia seria aquela que tenta sair do vagão (da cultura a que pertence) e, entre os trilhos e trens à sua volta... observar as culturas de sorte a perceber que não há o "normal", mas apenas o "normal" para aquela cultura específica... Assim a Antropologia se torna crítica, por exemplo de abordagens psicológicas da realidade, que tenta retratar o perfil "normal", fora do que, é um desvio.... uma abordagem que na verdade serve de agente policiador para uma determinada cultura em relação a todas as outras... conforme exposto por teóricos como Michel Foucault e Claude Lévi-Strauss.

Quando nos propomos a falar de vampirismo, vampirismo real, mitos vampíricos, modernos e arcaicos, sob um enfoque do Sagrado, através da Antropologia, visamos tentar obter esta isenção de pré-conceitos comum nesta ciência.

Hoje existem basicamente quatro "paradigmas ou escolas" principais de abordagem e análise na Antropologia, quais sejam, o "Estruturalismo" da Escola Francesa; a "Antropologia Inglesa"; o "Particularismo histórico ou Antropologia Culturalista Americana" e o "Interpretativismo", conforme ensina o antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira em sua obra intitulada "Sobre o Pensamento Antropológico".

ANTROPOLOGIA ESTRUTURAL

A"Antropologia Estrutural" ou o "Estruturalismo" em Antropologia, nasce em meio à Escola Francesa de Sociologia, de Émile Dhurkheim (1858 - 1917) e Marcel Mauss (1872 - 1950). Mauss é considerado o pai da etnologia francesa (etnologia é o campo da Antropologia que faz a análise dos dados obtidos em pesquisa de registros de campo (a etnografia), com base em modelos e conceitos antropológicos).


Marcel Mauss (1872 - 1950)

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>