O MITO DO VAMPIRO


Albert_Pénot_1890_Batwoman
Albert Pénot
Batwoman (1890)

Aqui trataremos do mito da prática vampírica, verificada em todo mundo, e não da palavra vampiro, conforme explicitamos no tópico "A ORIGEM DA PALAVRA VAMPIRO".

Não faltam relatos de seres misteriosos... fantasmas que parecem ter sempre deslizado por este planeta desde épocas recuadas... Encobertos no mais absoluto anonimato, a se dar crédito aos mitos que abundam em todas as direções, sempre teria havido pessoas associadas a certas habilidades que os possibilitava viver de uma estranha forma e movidos por um estranho desígnio só conhecido por eles mesmos. Suas origens e habilidades podem ser associadas a magos, bruxos, feiticeiros, anjos caídos, excomungados, Deuses, yoguis, santos, demônios, herdeiros amaldiçoados de sabedorias arcanas de civilizações esquecidas, videntes, alquimistas, artistas sombrios, sensitivos, visionários habitantes de um mundo mais amplo... fantasmas materializados, seres capazes de viver entre o mundo dos encarnados e daquele dos desencarnados. Serão eles magos capazes de desdobrar suas almas para fora de seus corpos físicos, ou fantasmas de pessoas já falecidas que voltam do mundo dos mortos? Estamos falando dos Vampiros.

Haverá um segredo por detrás destes mitos por todo mundo? Estarão estes mitos inter-relacionados? Haverá uma estrutura, uma coesão ou algo mais que simples práticas de certos indivíduos? Estamos falando de indivíduos ou de uma coletividade?

O que há de comum entre tantos mitos? O que pode nos ajudar a dar uma unidade ou coerência a tantas versões, a tantas tentativas de explicar suas naturezas e origens, a tantos mitos espalhados em todos os continentes e em todas as épocas?
Como as diversas escolas dentro da Antropologia podem nos ajudar a entender este tema?
Veja em "A ANTROPOLOGIA E O MITO DO VAMPIRO".

A “história das mentalidades” nos ensina que o comportamento humano não existe separado do “pensamento” de uma época, aquilo que a sociologia chamará de “consciente coletivo” e “inconsciente coletivo”. Perguntamos: que pensamento é este que anima este mito presente desde os primeiros registros da história humana, conforme registra a antropologia? O que este “pensamento” nos pode revelar de suas origens?
Veja como a Antropologia de Mito e Ritual pode nos ajudar nisto em:
MITO E RITUAL NO VAMPIRISMO