página 2 de 8

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>

Os vampiros dos filmes e literatura não existem,
mas existem pessoas encarnadas e almas desencarnadas que praticam o vampirismo de energia vital para seus objetivos, e muitos fantasmas em locais mal assombrados se comportam como vampiros deste tipo. Se você não acreditasse sequer em vida espiritual ou vida após a morte, então eu diria que não existem vampiros para você. Mas se você tem motivos para acreditar em almas e espíritos, como eu,
então respondo que sim, existem vampiros reais encarnados e desencarnados. Vampirismo é pois uma prática de ocultismo, semelhante à magia, ao yoga e à alquimia, das quais o vampirismo é uma linha. A energia que o vampiro(a) obtém ele a usa para alquimia pessoal e coletiva (social), ou em magia, aumentando sua vontade, energia emocional e mental e lhe facultando despertar para a realidade do mundo espiritual, semelhante a uma vela a quem se dá maior combustível... Logo, vampirismo para mim é um caminho de iluminação... e de imortalidade nos planos espirituais. Neste sentido, eu sou um praticante ético de vampirismo, isto é, preocupado em não prejudicar ninguém.

Sophia: Esta é uma afirmação que pode evidentemente ser criticada ou questionada, e certamente muitos ocultistas não concordariam com ela. Muitas religiões buscam a iluminação espiritual. O que pergunto é se estes objetivos realmente podem também ser obtidos pelo vampirismo, e se é que os vampiros realmente têm estas intenções. O que acha disto tudo?

Otto: Respeito qualquer opinião. Para tudo há muitos caminhos... assim como há muitos tipos de pessoas... e para cada alma há um caminho... Não questiono que haja outros caminhos para se atingir o desenvolvimento espiritual, e respeito a todos. Penso que cada um deve descobrir e seguir aquele que funciona para si, descobrir a linha especial de seu Eu Imortal. O que importa é que funcione e que vibre em sintonia com a pessoa... uma senda espiritual na qual nos sintamos deslocados é um contra senso... Mas reafirmo, há sim uma senda pelo vampirismo, ela é funcional para aqueles que têm esta inclinação em suas almas, e é extremamente antiga... Mas certamente o que descrevi é minha abordagem pessoal da questão... Há muitas outras abordagens, tão diferentes e variadas como as estrelas em um céu noturno. Há pessoas que vampirizam pelo simples prazer de fazê-lo, apenas por alguma fantasia, sem saber o que fazer com a energia obtida. Há aqueles que o fazem com seriedade e embasados nas mais diversas e até antagônicas tradições espirituais, religiosas, místicas, e científicas. Há aqueles com preocupações éticas e que atuam sem prejudicar ninguém, há aqueles sem nenhuma preocupação ética se estão ou não prejudicando as pessoas. Na maioria os praticantes sérios querem manipular energia através do vampirismo para paralisar artificialmente o processo de reencarnação, isto é, querem obter a imortalidade de suas personalidades no plano espiritual após a morte de seus corpos físicos evitando assim a reencarnação, mas apenas alguns se preocupam em se iluminar e realmente transcender suas personalidades tocando o Nirvana, despertando seus Eus Imortais em larga escala em um plano de consciência que transcende as emoções e a mente comuns (logo transcende a personalidade pessoal que usamos em nosso dia a dia), despertando verdadeiramente seu Deus e Deusa interior, com o intuito de romper com os ciclos das reencarnações e se tornarem realmente iluminados em amor, sabedoria e vontade nos planos espirituais. Há de tudo, dezenas de variantes em objetivos e práticas, muitas das quais eu sou absolutamente contrário! O vampirismo ético que aqui descreverei como aquele que sigo, é apenas minha senda pessoal, nada mais. Não posso falar pelos outros, nem represento ninguém.

Sophia: Você bebe sangue?

Otto: Não, não bebo sangue, jamais bebi nem aconselho alguém a beber sangue. Me refiro aqui apenas ao vampirismo de energia vital, sutil, espiritual e invisível, pois só pratico aquele vampirismo que extrai energia vital sutil por meditações mentais, e não ao vampirismo de sangue.

Sophia: Como você pratica o vampirismo?

Otto: Por meditações mentais semelhantes àqueles exercidos em várias modalidades de yoga. Pratico apenas o vampirismo ambiental, isto é, dreno consciente e voluntariamente a energia vital que existe no meio ambiente e que as pessoas saudáveis naturalmente emitem fora de si mesmas. Como exemplo temos as multidões em uma rua, em um cinema, shopping, e ambientes diversos. Como se trata de multidões ninguém é prejudicado nem se sente desvitalizado, e por isto pode ser denominado de vampirismo ético.

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>