página 2 de 6

<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>

 

A Tradição AML tem como filosofia um mundo que é dividido em dormentes e despertos. Nós vampiros estamos entre os despertos, vendo a magia por de trás da "magia". Enquanto os dormente funcionam apenas como autômatos da realidade percebida, apenas vivem e gastam seu tempo, como baterias e quando morrem se dissolvem no Universo... Nós da AML da Filosofia Predatória, trabalhamos para atingir, com maestria as metas materiais/espirituais, trabalhamos para guardar a nossa própria energia, para controlarmos nossas emoções e ao final da vida, para mantermos nossas Consciências ativas após esta realidade. A AML tem como objetivo transmitir conhecimento que seja usado como ferramenta, como motor, para que as pessoas tenham maior controle de suas vidas, que evoluam mentalmente, que percebam a realidade acima do que chamamos de Nuvens dos Sonhos. Para que vejam além da realidade comum. Como consequência, ficando apto para atingir as metas das últimas monografias, onde há a Individuação, a Autodeificação e os Nove Processos para atingir metas, seja elas qual forem, processos que mostram a magia por de trás da magia. Temos como meta ensinar a fabricação da Pedra Filosofal, descoberta pela AML.

Sagrado Vampírico: A subcultura vampírica hoje é complexa e variada, havendo muitas vertentes e sutilezas nos pensamento de seus integrantes em todo mundo. Então permita-nos aprofundar alguns assuntos que são polêmicos e/ou matéria de constantes discussões até mesmo entre nós que pertencemos a este meio. Há aqueles que acham que o vampirismo é uma doença que nos obriga a drenar energia vital (prana) do meio ambiente e seres ao redor, consciente ou inconscientemente, e outros que acham ser o vampirismo uma prática ocultista como outra qualquer, como a magia e a alquimia. O que pensa de tudo isto? Vampirismo é doença? Vampirismo é ocultismo? O que é ser um Vampiro Real para você? O que caracteriza um Vampiro Real?

Hadenes: Em primeiro deixo bem claro que o vampirismo não é doença, não é loucura, não é carência emocional e também não é religião. Ser vampiro, um Predador, é aquele que tem conhecimento além da realidade percebida e se alimenta desta outra realidade, não percebida pelos dormentes. O fato de absorver Força Vital, seja de pessoas, do ambiente etc etc não caracteriza o vampiro em si. Mas sim o autocontrole de si mesmo e de seu destino. Absorver Força Vital é a consequência de uma postura maior perante o mundo e o Universo. 
Vampiros emocionais, vampiros que drenam inconscientemente por algum motivo de doença não são vampiros reais. Pois não possuem os conhecimentos adequados para transmutar e usar a Força Vital (Alquimia) e acabam se tornando seus próprios buracos negros existenciais, estes precisam de ajuda médica e psiquiátrica.

Além dos destes temos os que se dizem vampiros devido às suas roupas ou pelo número de ordens que participam. Para a AML, dentro do assunto “polêmicas”, estes são responsáveis por confundir os que buscam conhecimento nesta área. Há muitos grupos “grandes” autointitulados “ordens/’houses’/corte/’noir haven’ ” (maioria na Europa e na América do Norte) que transformam Leões em Zebras (o Predador em Presa). Promovem eventos, festas com códigos de etiqueta e de vestimenta, transformando uma filosofia antiga em uma cópia barata e deprimente do vampiro ‘hollywoodiano’ (e literário). Um grande circo formado de ‘cosplayers’ de vampiros. Eventos que não agregam nenhum crescimento pessoal e nenhuma vantagem, talvez ofereça diversão apenas. Acham que são leões, mas são zebras.  

Outro ponto fatídico desses códigos e eventos, baseados em jogos de RPG, filmes e livros, é a preservação do vampiro fraco presos às regras paganistas, cristitas etc. Os mantendo presos em inverdades sociais de medo ou adoração à deuses e deusas, presos a ritos e pensamentos ultrapassados.

  Não podemos negar que há um charme nestes ‘cosplayers’ e nos vampiros da ficção. Afinal todos querem ser um pouco do que nós somos. Isso é bem parecido com a natureza selvagem. Os “vampiros” destas ordens fantasiosas e os da ficção são ágeis, belos, possuem uma gama de vantagens. Assim como um leão e uma zebra. Ambos possuem audição aguçada, olfato, velocidade aprimorada. Só que o leão usa isso para caçar e a zebra usa as habilidades para fugir.  Assim como vampiros reais, Predadores, são responsáveis pelos seus atos, pela sua busca e esses pseudo vampiros apenas gastam tempo se fantasiando e transferindo culpa em seus rituais ou à energia negativa de algum ambiente.


<<< VOLTA                                              PRÓXIMO >>>